quinta-feira , 30 de março de 2017
Home / Blog / Métodos alternativos não químicos para controle de Plantas Daninhas

Métodos alternativos não químicos para controle de Plantas Daninhas

Principalmente nos atuais tempos de crise econômica, a agricultura, seja ela convencional ou orgânica, continua sendo, como muitos dizem, a salvação da lavoura. Estatísticas comprovam que ainda vêm do campo grades riquezas, que geram empregos e movimentam o Comércio e a Indústria. Por isso, cada vez mais os pesquisadores se debruçam sobre estudos que garantam a qualidade das plantações, mantendo-as livres de pragas que possam trazer prejuízos.

planta daninhaUm estudo publicado na revista PLANTA DANINHA, volume 34, número 2, intitulado “Métodos Alternativos de Controle não Químicos de Plantas Daninhas: Uma Revisão”, teve como objetivo analisar alguns métodos seguros de controle de plantas daninhas na agricultura limpa, ou seja, sem o uso de agroquímicos. O trabalho aponta que a baixa produtividade das plantas na agricultura orgânica está relacionada, principalmente, ao mau controle de plantas daninhas, ultrapassando qualquer categoria de pragas agrícolas.

De acordo com os pesquisadores, em condições de estresse hídrico, as plantas daninhas podem reduzir o rendimento das culturas em mais de 50% apenas por meio da competição por umidade. Diante dos problemas ambientais e toxicológicos criados por herbicidas, tornou-se necessário desenvolver métodos de segurança para controle de plantas daninhas.

Solarização do solo, cobertura morta, cobertura morta biodegradável, herbicidas naturais, água quente e práticas agronômicas foram adotados com êxito em muitos países como métodos seguros para controle de plantas daninhas na agricultura orgânica. Além disso, existem algumas medidas promissoras novas e não tradicionais, como lentes de Fresnel, controle elétrico de plantas daninhas, laser etc., que podem ser empregadas para controlar as plantas daninhas na agricultura orgânica. Práticas agronômicas, como a escolha de variedades competitivas e canteiros falsos, também tiveram impacto significativo sobre as plantas daninhas.

Os autores H.F. Abouziena e W.M. Haggag defendem que os produtores de agricultura orgânica devem ter em mente três aspectos: 1) começar de modo limpo e manter-se limpo de forma bem-sucedida; 2) a prevenção é sempre melhor do que o tratamento; e 3) as sementes de um ano conduzirão à infestação por plantas daninhas durante sete anos. Os sistemas de manejo de plantas daninhas bem-sucedidos e sustentáveis são aqueles que empregam combinações de técnicas, em vez de depender de um único método.

Para ler o artigo na íntegra, acesse:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-83582016000200377&lng=pt&nrm=iso&tlng=en#aff3

Leandro Rocha (4toques comunicação)
comunicacao@abecbrasil.org.br

Sobre Leandro Rocha

Veja também

Representação esquemática do experimento com uso de óleo essencial de Lippia alba no transporte de tilapia do Nilo. Fonte: Carlos Eduardo Copatti

Estudo aponta que óleo de Lippia alba pode acalmar tilápia-do-nilo durante transporte

A tilápia-do-nilo (Oreochromis niloticus) atualmente é uma das espécies mais cultivadas do mundo. Trata-se de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

//analytics natashaprimati@gmail //analytics natasha@abecbrasil