sábado , 13 de abril de 2024
Home / Blog / A disseminação de notícias falsas sobre o papel dos animais na transmissão da Covid-19 para pessoas

A disseminação de notícias falsas sobre o papel dos animais na transmissão da Covid-19 para pessoas

A Covid-19 é uma doença respiratória intensamente contagiosa, que durante a pandemia global, declarada em 2020 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), levantou suspeitas sobre a sua transmissão através de cães e gatos.

Para combater a falta de informações verídicas e as consequências negativas das fake news, os pesquisadores da Faculdade de Medicina Veterinária do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL), Vitória Erlym Dias Muniz, Déborah Milhomem Silva, Ana Christina Silva Batista, Kryscia Beatriz Teixeira Araújo Varão, Thalia Henrique Lima, Kalyne Sousa dos Santos, Évelyn Bárbara Sousa Maciel e Jailson Honorato, analisaram artigos científicos e jornalísticos sobre a infecção e a transmissão do conoravírus pelos animais de estimação para pessoas. O estudo, intitulado “Fake news sobre a infecção e transmissão da COVID-19 entre cães, gatos e seres humanos”, foi publicado em agosto de 2023 pela Revista Agrária Acadêmica, associada à ABEC Brasil.

Segundo a pesquisa, já foram detectados anticorpos anti-SARS-CoV-2 que indicam infecção prévia em cães, gatos e animais silvestres, a partir da exposição a uma fonte de infecção. Diante disso, foi constatado que, embora alguns animais tenham testado positivo para SARS-CoV-2, após o contato com pessoas infectadas, não há evidências científicas suficientes e casos comprovados que confirmem a transmissão da Covid-19 de cães e gatos para humanos.

Ainda de acordo com o estudo, a recomendação é de que pessoas infectadas devem evitar o contato com os animais, pois eles podem participar do ciclo de disseminação do vírus através dos pelos. Cabe aos tutores a higienização correta dos cães e gatos e a restrição de contato com pessoas infectadas como medida protetiva. Recomenda-se a limpeza do focinho e das patas, com água, sabão neutro em pano úmido, o que deve ser feito regularmente em todos os animais que saem de casa. Não deve ser utilizado álcool em gel ou álcool líquido.

No artigo publicado, o projeto foi dividido em três fases. As informações foram coletadas no Google Scholar, Scielo, Pubmed, Scopus e nos sites Google e Yahoo de reportagens e artigos jornalísticos sobre Covid-19 em cães e gatos relacionados à literatura científica sobre o tema. Há um quadro comparativo, contendo as fake news e as informações corretas, para o esclarecimento das dúvidas.

As evidências são limitadas quanto à ação dos animais na cadeia epidemiológica da Covid-19, não havendo evidências científicas suficientes de que possam ser transmissores para as pessoas. E mesmo que alguns animais tenham sido positivos para SARS-CoV-2, não existem casos confirmados de transmissão entre estas espécies animais e os seres humanos. É indispensável o combate às notícias falsas relacionadas à transmissão da Covid-19 e dos respectivos cuidados aos animais de estimação.

O estudo completo traz relevantes informações, evitando assim a propagação de notícias falsas acerca do papel epidemiológico dos pets. Confira: https://agrariacad.com/2023/08/30/fake-news-about-the-infection-and-transmission-of-covid-19-between-dogs-cats-and-humans/

Sobre Leandro Rocha

Veja também

Integridade, diversidade, equidade, inclusão e acessibilidade na editoração científica em debate no ABEC Meeting 2023, em Foz do Iguaçu

Integridade em publicação científica e os Princípios DEIA (diversidade, equidade, inclusão e acessibilidade) na editoração ...

//analytics natashaprimati@gmail //analytics natasha@abecbrasil