segunda-feira , 6 de dezembro de 2021
Home / Blog / Por que os alunos de graduação têm dificuldade para aprender Bioquímica?

Por que os alunos de graduação têm dificuldade para aprender Bioquímica?

 

Dentro de uma sala de aula, durante o aprendizado o estudante tem habilidades e vocações que a aproximam ou distanciam de terminadas áreas do conhecimento. Nesse contexto, seu desempenho também é influenciado por suas preferências ou afinidade no desenvolvimento de determinadas tarefas. Mas, qual o papel do professor nesse cenário? Uma reforma curricular contribuiria para reduzir as dificuldades dos estudantes?bioquimica2

A aprendizagem da Bioquímica tem sido um problema para muitos alunos de cursos de graduação, às vezes resistentes aos esforços dos docentes. A falta de clareza sobre as bases do problema enfrentado pelos participantes do processo dificulta a adoção de medidas para resolvê-lo.

Para discutir essa problemática foi elaborado o artigo “Diagnósticos e intervenções no Ensino de Bioquímica”, que retrata uma pesquisa para diagnosticar as dificuldades dos alunos do curso Nutrição de uma Instituição de Ensino Superior da rede particular de ensino com o aprendizado de Bioquímica. O trabalho tem como autores Andreza Costa Scatigno, da Universidade de Sorocaba (Uniso) e Bayardo Baptista Torres, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) e foi publicado no Journal of Biochemistry Education (Revista de Ensino de Bioquímica), da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (SBBq).

A publicação salienta que as dificuldades dos alunos resultavam da pequena proficiência nas diferentes linguagens empregadas na comunicação Bioquímica: visual, verbal e simbólica. Na instituição pesquisada, as disciplinas do curso de Nutrição são semestrais, e as disciplinas de Bioquímica têm carga horária semanal de 2 horas/aula. Os alunos, cursando o período diurno ou noturno, compõem turmas com 37-50 participantes. Em uma das turmas pesquisadas, 76% dos alunos tinham idade entre 19 e 23 anos, 74% cursaram o ensino fundamental em escolas públicas e 83% trabalhavam.

Os dados obtidos foram usados para subsidiar o planejamento e a aplicação de intervenções corretivas dos problemas detectados. Os resultados gerais da reformulação curricular mostraram um ganho considerável no aprendizado e melhoria na motivação dos estudantes.

Confira o artigo na íntegra:

http://bioquimica.org.br/revista/ojs/index.php/REB/article/view/626/532

Leandro Rocha (4toques comunicação)

comunicacao@abec.org.br

Sobre Leandro Rocha

Veja também

school-classroom-with-books-backpack

As políticas de não repetência nos sistemas estaduais de ensino do Brasil

As políticas de não repetência continuam sendo alvo de polêmicas no cenário educacional brasileiro. Parte ...

//analytics natashaprimati@gmail //analytics natasha@abecbrasil