quarta-feira , 25 de abril de 2018
Home / Blog / Artigo científico aborda fim do termo “chuva de flor” para se referir a queda de granizo em dois estados brasileiros

Artigo científico aborda fim do termo “chuva de flor” para se referir a queda de granizo em dois estados brasileiros

first-snow-1821255_1920Cada região do país tem suas peculiaridades culturais e linguísticas e alguns dos estados brasileiros possuem palavras específicas para determinados termos. Para dar conta desses e de outros fenômenos linguísticos, foi criado, em 1994, o Atlas Linguístico do Brasil (ALiB), estudo científico detalhado com os registros dos falares de nosso país, cujo objetivo primeiro é mostrar as mais diversas manifestações linguísticas em diferentes níveis. O ALiB envolve linguistas das mais diferentes universidades brasileiras.

Diante deste cenário, as pesquisadoras Vanderci Aguilera, da Universidade Estadual de Londrina, e Helen da Silva, da Universidade Estadual do Paraná, elaboraram o artigo “Não chovem mais flores no Paraná, em Minas Gerais e em São Paulo: um tabu linguístico em extinção”, publicado pela Revista da Abralin – Associação Brasileira de Linguística – (v. 16, n. 03) – https://goo.gl/T42UjQ. A publicação analisa a presença ou ausência de eufemismos para o termo “chuva de granizo” em atlas linguísticos desenvolvidos no Paraná e em Minas Gerais e compara com as ocorrências do Atlas Linguístico do Brasil (ALiB), nos três estados: Paraná, São Paulo e Minas Gerais.

O estudo mostra como era comum o uso de eufemismos, figura de linguagem utilizada para suavizar um termo, para “chuva de granizo”. A expressão chuva de flor, por exemplo, era uma das maneiras usadas para designar o fenômeno no estado do Paraná e em Minas Gerais, principalmente em áreas rurais. Com efeito, dava-se a impressão de que o impacto dessa suavização seria menor nos falantes. No entanto, segundo o estudo de Aguilera & Silva, este tipo de figura de linguagem caiu em desuso com o passar dos anos, mostrando, por um lado, a dinamicidade de nossa língua e, por outro, a necessidade de se debruçar sobre o funcionamento linguístico, discursivo da língua portuguesa.

Aguilera e Silva concluem que “as mudanças sociais, a urbanização, o acesso aos meios de comunicação e à escolaridade, dentre outros fatores, levam os indivíduos a manter outros tipos de relação com os fenômenos da natureza, isto é, no caso em análise, a não temer a chuva de granizo, dispensando a necessidade de suavizar seu significante”. Ou seja, o termo “chuva de flor”, antes implicado com o intuito de tornar a “chuva de granizo” menos desastrosa de um mirante pragmático, passou a ser colocado em apenas poucas cidades paranaenses e mineiras.

O artigo completo e outros que discutem cientificamente a linguagem estão disponíveis, na íntegra, em: http://revistas.ufpr.br/abralin/article/view/52394

Tadeu Nunes (4toques comunicação)

comunicacao@abecbrasil.org.br

Sobre Leandro Rocha

Veja também

2358-2936-nau-25-e2017021-gf4

Estudo verifica nova espécie de crustáceo de águas subterrâneas encontrada no Brasil

Alguns animais acabam entrando em extinção, principalmente por conta da ação humana. Entre os extintos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

//analytics natashaprimati@gmail //analytics natasha@abecbrasil