domingo , 18 de novembro de 2018
Home / Todas as Notícias / Acontece / 20 anos do Programa SciELO: presidente da ABEC, Rui Seabra, fala sobre a relação entre as entidades

20 anos do Programa SciELO: presidente da ABEC, Rui Seabra, fala sobre a relação entre as entidades

Rui Seabra é presidente da ABEC
Rui Seabra é presidente da ABEC

Neste ano, o Programa SciELO está comemorando 20 Anos de operação regular promovendo o fortalecimento e desenvolvimento das capacidades e infraestruturas nacionais de comunicação de pesquisas por meio de periódicos de qualidade publicados nacionalmente. Essa incumbência o SciELO cumpre aliando as condições e prioridades de cada periódico e das respectivas áreas temáticas ao estado da arte internacional.

Ao longo dos 20 anos de operação, o SciELO sempre contou com o apoio da Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC) e vice-versa. A partir de suas identidades e funções, a ABEC e o SciELO operam em parceria no aperfeiçoamento dos periódicos do Brasil. Vale, lembrar que o encontro entre Abel Packer e Rogerio Meneghini que levou à fundação do SciELO se deu em uma reunião da ABEC em 1996.

Nas comemorações de 20 Anos, o SciELO está dando destaque especial à relevância dos periódicos de qualidade que são editados nacionalmente e sua inserção no fluxo global de informação científica, em particular no alinhamento com as boas práticas de comunicação da ciência aberta. São posicionamentos compartilhados com a ABEC.

1. Na sua visão, como a ABEC e o SciELO se complementam no aperfeiçoamento dos periódicos do Brasil e na promoção de políticas que reconheçam o papel chave que desempenham os periódicos do Brasil?

A ABEC e o SciELO têm papéis fundamentais na promoção de políticas que visem o avanço da ciência brasileira, no que tange a produção, divulgação e internacionalização, além de sempre trazer a discussão da ética e das boas práticas, objetivando fomentar todo o ecossistema editorial brasileiro, ou seja, do pesquisador/autor passando pelas prestadoras de serviços, até a sua publicação. “Devemos salientar que a publicação é o objetivo do pesquisador. E quando esta publicação acontece em um periódico relevante, é o mesmo que marcarmos um gol em um importante estádio num jogo decisivo sob o olhar do mundo todo”. Desta maneira a sinergia entre estas duas Instituições é um modelo a ser exportado, inclusive para outros países que formam a rede SciELO, pois a ABEC alterou seu estatuto e editores de outros países já participam efetivamente de nossa Associação.

2. A ABEC conta hoje com cerca de 700 sócios e um programa intenso de atividades, eventos e serviços de apoio aos periódicos e um relacionamento crescente com instituições internacionais de apoio à comunicação científica. Nenhum outro país da Rede SciELO conta com uma associação de editores científicos como a ABEC? Quais são as principais razões do sucesso da ABEC?

Atualmente, após mais de 30 anos desde sua fundação, a ABEC encontrou a sua maturidade. A administração responsável realizada pelas últimas gestões foi fundamental para que isto ocorresse. Investimos na aquisição de sede própria, na informatização de todos os sistemas de contato com o sócio, em ferramentas de divulgação pela internet e pelas mídias sociais, além de parceria com empresas para o fornecimento de serviços internacionais a preços atrativos aos nossos editores e pesquisadores. A presença virtual da ABEC tem sido fundamental para a atualização de nosso público e a realização de eventos anuais com a participação de palestrantes de outros países mostra-se acertada, pois erros e acertos são compartilhados. Além disso, nossa Associação tem um público multiprofissional. Este fato evita possíveis conflitos de interesse que muitas vezes vemos em outras Sociedades. Não há competição e sim um grande sistema de ensino e aprendizado que ocorre na família ABEC.

3. O SciELO está promovendo a adoção das boas práticas de comunicação científica da ciência aberta. Entre os principais avanços estão a convivência e interação dos periódicos com os servidores de preprints e com os servidores de dados de pesquisa. Como a ABEC está trabalhando no alinhamento dos periódicos com a ciência aberta?

A ABEC está alinhada com todas as mudanças que vêm acontecendo no mercado mundial da editoração científica. É claro que muitas delas são preocupantes pois o futuro é incerto, mas temos formado uma base sólida para enfrentar estes novos tempos. Um exemplo disso é a representação do Crossref no Brasil. Isto já possibilitou a adoção do “DOI number” para mais de 1.300 periódicos que se encontravam à margem da divulgação científica. A adoção de ferramentas antiplágio também faz parte deste pacote e tem ajudado divulgar as boas práticas com o intuito de melhorar a qualidade de nossos periódicos. A ciência aberta é uma tendência irreversível já que foi adotada por governos, editores e pesquisadores. Para os grandes publishers resta o desafio de alinhar os seus modelos de negócio a este paradigma. Este é um tema que sempre é discutido em nossos canais de comunicação e eventos.

4. Quais são os principais avanços e desafios que enfrentam os periódicos do Brasil no futuro próximo?

O desafio da modernização da editoração científica é mundial. Desde os primeiros periódicos publicados na segunda metade do século 17, seu modelo foi pouco alterado. Atualmente vivemos uma época de transição pois as ferramentas de informação e comunicação alteraram a maneira como o homem se comunica. E, por consequência, como comunicamos a ciência e as suas descobertas. Certamente, a maneira como vínhamos fazendo não será a maneira como iremos fazer nós próximos anos. Neste cenário, o SciELO tem um papel fundamental, pois acredito que tem uma função primordial na sustentação do sistema de pós-graduação brasileira. O impressionante número de downloads diários é o maior exemplo disso, já que os artigos ali publicados são usados para revisões, teses e dissertações, redação de projetos, etc. por nossos alunos. Infelizmente nem tudo será convertido em citações futuras mas é extremamente necessário para que este ecossistema aconteça. E certamente deve continuar como uma política pública de educação, pesquisa e desenvolvimento de nosso país. Por fim, é nítida a presença de alguns periódicos brasileiros no cenário internacional. Com seu impacto em ascensão, o recebimento de melhores artigos é uma realidade. A ABEC teve papel fundamental neste cenário nos últimos 10 anos ajudando na melhora destes periódicos e capacitação de seu staff. Este é um círculo virtuoso que poderia ser fomentado por agências como Capes e CNPq com políticas editoriais que vão muito além de investimento monetário.

 

Sobre Rui Seabra Ferreira Jr

Livre Docente em Animais Peçonhentos: Acidentes e Toxinas (FMB-UNESP 2016). Pesquisador Adjunto do Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos CEVAP-UNESP. Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999), mestre e Doutor em Doenças Tropicais pela Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003 e 2005), Pós-doutorado em Imunoquímica no Instituto Butantan-FAPESP (2006-2008). Especialização em Animais Peçonhentos (FMB-UNESP 2000-2002); em Toxinologia (CEVAP 2000); e em Gestão de Educação a Distância (UFJF 2003-2004). Professor e Orientador do cursos de Pós-Graduação em Doenças Tropicais da Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP) e de Pós-Graduação em Pesquisa Clínica (FMB/CEVAP). Membro do Conselho do Programa de Pós-graduação em Doenças Tropicais da FMB/UNESP. Membro do Conselho Deliberativo do CEVAP/UNESP. Membro do Conselho Universitário da UNESP. Membro da Câmara Central de Extensão Universitária da UNESP. Membro suplente da Câmara Central de Pesquisa da UNESP. É líder do Grupo de Pesquisa em Selante de Fibrina e Células Tronco (CNPq), membro da Diretoria (2008-2016) e Presidente (2016-2018) da Associação Brasileira de Editores Científicos; Membro da Sociedade Brasileira de Toxinologia; da International Society on Toxinology; da Associação Brasileira de Educação a Distância; e da Associação Brasileira de Editores Científicos. Consultor Ad-hoc da FAPESP. Membro do Comitê Julgador dos Periódicos Científicos Brasileiros do CNPq. Membro do Comitê Consultivo SciELO Brasil. Tem experiência nas áreas de Biologia, Medicina e Medicina Veterinária, com ênfase em Medicina Translacional, Toxinologia e Manejo e Acidentes com Animais Peçonhentos, além de Educação a Distância. Experiência internacional: visitas a Centros, Institutos e laboratórios universitários na Europa (2011) voltados a Bioprospecção, Drug development e Clinical Trials. Atualmente encontra-se como Coordenador Executivo do CEVAP-UNESP.

Como citar este post [ISO 690/2010]:
SCIENTIFIC ELECTRONIC LIBRARY ONLINE Série de entrevistas com o Presidente e ex-presidentes da ABEC: Entrevista com Rui Seabra Ferreira Jr. [online]. SciELO em Perspectiva, 2018 [viewed 11 September 2018]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2018/09/10/entrevista-com-rui-seabra-ferreira-jr/

Sobre Leandro Rocha

Veja também

banner_site

Apresentações das palestras do Crossref Live Brasil 2018 estão disponíveis para download

As apresentações das palestras ministradas no Crossref Live Brasil 2018 estão disponíveis para download (confira ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

//analytics natashaprimati@gmail //analytics natasha@abecbrasil