domingo , 19 de maio de 2024
Home / Todas as Notícias / Acontece / CAPES financia projetos de proteção ao meio ambiente

CAPES financia projetos de proteção ao meio ambiente

Em 22 de abril de 1970, um protesto nas cidades americanas de Washington, Nova York e Portland quis chamar a atenção de toda a população mundial para os impactos da poluição. A manifestação ocorreu em um fórum ambiental, que reuniu cerca de 20 milhões de pessoas. A data ficou marcada como o Dia da Terra. Desde então, a cada ano um assunto é escolhido para ser o carro-chefe dos debates ambientais. Em 2023, o tema é “Investir no nosso planeta”. E é exatamente o que a CAPES faz, ao financiar estudos de combate à poluição e de compreensão da biodiversidade brasileira.

O químico Bruno Mena Cadorin é um exemplo disso. Durante a pós-graduação, o ex-bolsista da CAPES no mestrado e doutorado desenvolveu um procedimento pioneiro no País para tratar a poluição de rios. A partir de uma tecnologia limpa, ele criou purificadores que dispensam o uso de produtos químicos. “Quando aplicado no tratamento de efluentes líquidos, o plasma utilizado é capaz de degradar compostos orgânicos, promovendo um real tratamento do rio, uma vez que não ocorre a geração de resíduos secundários como o lodo”, explica.

Fernanda Ramos Fernandes de Oliveira, também bolsista da CAPES, do curso de doutorado em Evolução e Diversidade, na Universidade Federal do ABC (Ufabc) e no Laboratório de Ecologia e Gestão Costeira (Legec) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), pesquisa o impacto da urbanização na macrofauna de praias arenosas. “A urbanização causa diversos impactos no litoral. Além de afetar os animais nos ambientes costeiros, resíduos produzidos são levados para o mar, alcançando os animais marinhos”, argumenta. Em sua avaliação esses impactos podem ser minimizados com bons projetos de gestão costeira, auxílio da própria sociedade e o trabalho de educação ambiental.

Os principais Programas Ambientais da CAPES
A CAPES tem diversas ações que financiam a formação voltada ao meio ambiente, dentre as principais estão o Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação (PDPG) na Amazônia Legal para consolidar e promover o desenvolvimento científico e tecnológico da região, contribuindo para o equilíbrio regional da pós-graduação brasileira, o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Região Semiárida Brasileira (PDPG – Semiárido), que incentiva projetos de desenvolvimento da Agroindústria e da Biotecnologia da região, o Programa Antártico Brasileiro (ProAntar), criado em 1982, para expandir o conhecimento científico no continente gelado e compreender os fenômenos que ali ocorrem e sua influência sobre o território brasileiro, além do Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação Recursos do Mar, uma parceria entre a CAPES e a Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (SECIRM) do Ministério da Defesa, que visa ampliar a capacidade nacional de utilizar, de forma sustentável, os Recursos do oceano, contribuindo para o desenvolvimento de pesquisas, técnicas, produtos, serviços e inovações, através do apoio a projetos voltados à formação de recursos humanos altamente qualificados e ao desenvolvimento de pesquisa acadêmico-científica, no âmbito dos Programas de Pós-Graduação (PPGs) stricto sensu acadêmicos, que possam contribuir efetivamente para a investigação científica relacionada ao uso sustentável dos recursos da Amazônia Azul.

*com informações do CAPES

Sobre Leandro Rocha

Veja também

ABEC Brasil apoia ajustes em Chamada CNPq/CAPES para apoio aos periódicos nacionais

A Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC Brasil), como membro do Comitê Consultivo da Coleção ...

//analytics natashaprimati@gmail //analytics natasha@abecbrasil